×
HOME BELEZA BUSINESS E NEGÓCIOS CULTURA DESTINOS EVENTOS GASTRONOMIA HOTELARIA MODA PETS SOCIAL TURISMO ZILDA BRANDÃO DICAS DE VIAGEM QUEM SOMOS TV ZILDA BRANDÃO ÚLTIMAS NOTÍCIAS FALE CONOSCO
     

Whats Instagram Instagram Facebook
×
ENCONTRE SUA NOTÍCIA

DESTINOS

Quem já pensou em visitar a jóia da amazônia? É assim que é chamada a cidade de Macapá, capital do Amapá e o principal centro econômico, cultural e político do estado. A cidade está no sudeste do estado,tem 258 anos, com 560 mil habitantes e é a única cap

Ellen Saraiva
15/07/2016 às 22:54hs



Floresta Amazõnica - Vista Aérea

A JÓIA DA AMAZÔNIA - MACAPÁ/AP

DA SÉRIE - "MEU BRASIL BRASILEIRO"

By Ellen Saraiva

Quem já pensou em visitar a jóia da amazônia? É assim que é chamada a cidade de Macapá, capital do Amapá e o principal centro econômico, cultural e político do estado. A cidade está no sudeste do estado,tem 258 anos, com 560 mil habitantes e é a única capital brasileira que não possui interligação por rodovia a outras capitais e para chegar lá só de avião ou navio e é aí que começa a sua aventura. A cidade também é a única capital do brasil que está às margens do fantástico Rio Amazonas! Além disso, é a única cortada pela linha do Equador onde voce poderá tirar aquela foto com um pé em cada hemisfério.


Macapá


Linha do Equador


Orla de Macapá - A força da maré cheia


São muitas as atrações que voce vai encontrar por lá e se você gosta do estilo aventura associado à ecologia, estará no lugar certo, conectando-se à maior das reservas verdes do planeta, a Amazônia!! Por alí, você pode contratar um barco e fazer um passeio por dentro do majestoso Amazonas, indo pelos Igarapés apreciando a flora e a fauna da maior Floresta Tropical do mundo.


A força das águas


Igarapé no Rio Amazonas


Sumaúma - Arvore típica da Amazônia


Vitória Régia


Jacuaçu ou Penelope Obscura - (Pássaro com grão de açaí)


Perereca verde


Tratando antes com os barqueiros , ainda dá para visitar uma comunidade ribeirinha e fazer uma caminhada por dentro da floresta fechada, sempre acompanhado de pessoal experiente pois a floresta amazônica pode trazer surpresas aos desavisados urbanos. No entanto , a energia que o lugar emana voce nunca mais vai esquecer!


Comunidade do Igarapé Novo


Caminho Floresta


Caminhada na Floresta


Saindo de macapá mais ao norte , voce poderá conhecer Laranjal do Jari, umas tres ou quatro horas de macapá onde vai encontrar cachoeiras em meio a floresta de tirar o fôlego ou renovar mesmo


Cachoeira de Santo Antônio


Cachoeira Laranjal


Belezas Naturais do Amapá


ou então dar uma chegada no Oiapoque , sim , ali onde diziam que começava o brasil (Já não é mais) e quem sabe dar uma passeada nas Guianas Francesas , que faz divisa com o Estado pela Cidade de Saint Georges de L'Oyapoque que fica do outro lado da margem do Rio Oiapoque.


Ponte Oiapoque


Port Saint George - Guiana Francesa


Catedral Port Saint George - Guiana Francesa



A FORTALEZA DE SÃO JOSÉ

A Fortaleza de São José de Macapá tem 235 anos. Esse monumento hoje agrega diversos segmentos sociais com muita história.

A Fortaleza de São José de Macapá levou 18 anos para ficar pronta e foi construída pelos portugueses no século XVIII . Foi projetada pelo engenheiro Henrique Antônio Galúcio, sendo inaugurada em 1782. Os Portugueses queriam resguardar a Foz do Rio Amazonas e o território brasileiro de uma possível invasão europeia por via fluvial. “Eu vejo que a Fortaleza tem formas múltiplas de seu significado para a sociedade amapaense. A importância da Fortaleza está pautada no significado material, social, histórico e literário. Todos aqueles que contribuíram para a construção desse espaço colaboraram para a formação atual do povo amapaense”, disse o escritor e historiador, Fernando Canto.

Além de ser tombado como patrimônio nacional, desde 2008, a Fortaleza de São José é reconhecida como um museu pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), passando a ser denominada como “Museu Fortaleza de São José de Macapá”. Ë o cartão postal da capital amapaense, sendo um dos maiores atrativos turísticos do Estado do Amapá. Um passeio ao redor da Fortaleza logo no amanhecer ou entardecer é um colírio para os olhos e se a maré estiver cheia voce comprovará a força e poder do maior rio do mundo que forma ondas que arrebentam contra a murada que cerca o Rio na frente da cidade! Vale a pena!


Canhões da Fortaleza de São José


Forte de Macapá


Fortaleza de São José


Forte de Macapá


O sol nascendo no rio Amazonas


Pista de caminhada na orla do rio Amazonas



Dia nascendo no Amazonas



Museu Sacaca

O Museu Sacaca (oficialmente, Centro de Pesquisas Museológicas Museu Sacaca) é uma instituição cultural e científica l. É subordinado ao Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá (IEPA), órgão público responsável por fomentar e divulgar a produção científica e tecnológica local. Está sediado em uma extensa área de aproximadamente 21 mil metros quadrados, onde cultivam plantas que são usadas nas pesquisas do instituto.

Tem como destaque maior o circuito expositivo a céu aberto, construído com a participação das comunidades indígenas, ribeirinhas, extrativistas e produtoras de farinha do estado.

O museu foi oficialmente estabelecido em 1997 mas o acervo, entretanto, remonta às décadas de 1960 e 1970, quando foram criados o Museu de História Natural Ângelo Moreira da Costa Lima e o Museu de Plantas Medicinais Waldomiro de Oliveira Gomes. Os dois museus foram posteriormente fundidos e, em 10 de abril de 1997, o Museu Sacaca foi inaugurado, sob a denominação de Museu do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá (IEPA). Em 1999 o museu foi rebatizado como "Museu Sacaca de Desenvolvimento Sustentável", em homenagem a Raimundo dos Santos Souza (1926-1999), vulgo "Sacaca", curandeiro local de grande importância para a difusão da medicina natural junto à população amapaense.

O acervo do museu, bastante diversificado, reúne peças de interesse científico, abrangendo zoologia (com destaque para a coleção entomológica), botânica e microbiologia, artefatos históricos, etnográficos, arqueológicos e artísticos, adquiridas através de doações, coletas e aquisições, além de fototeca e biblioteca. Destaca-se também o acervo audiovisual, formado através de registros realizados pela equipe técnica do museu durante os projetos desenvolvidos pelo IEPA, e um núcleo de produtos desenvolvidos pela própria instituição, como a vela de urucuri (Syagrus coronata), um eficiente repelente de mosquitos transmissores da dengue e da malária, além de cicatrizantes e pomadas de funções diversas.


Museu Sacaca


Museu Sacaca


Estátua Sacaca


Museu Sacaca



Museu Histórico

O prédio que abriga o Museu Histórico Caetano da Silva, permanece o mesmo do início da formação da vila de são José de Macapá e que funcionou como "intendência" e também como prefeitura no passado. As visitas são monitoradas e mostram um pouco da rica história do estado. Desde a criação das capitanias hereditárias até a incorporação decisiva depois do confronto com os franceses. Proporciona um passeio pelos campos históricos, antropológicos e arqueológicos e possui um grande acervo sobre as civilizações "Maracá e Cunani". Sobre as civilizações, o Museu mantém uma sala com urnas que os homens utilizavam para guardas restos mortais. Cada uma tinha sua forma de urna e também de grafia.


Museu Histórico

CURIAU

A Vila do Curiaú, localizada a 8 quilômetros de Macapá, relata as histórias que permearam a criação e o povoamento da região, conhecida pelas paisagens e riquezas da fauna e da flora. A comunidade é formada por descendentes de escravos africanos que formaram quilombos.

Eles tem na tradição as festas em homenagem aos santos católicos. Ao todo, nove celebrações são realizadas durante o ano pontuado pela dança tradicional da comunidade, o Marabaixo, ritmo usado pelos escravos para amenizar o sofrimento nos porões dos navios negreiros.

Caminhando pela comunidade, ouve-se relatos sobre o povoamento do local. Contam de que chegaram alí fugidos. Vieram da Fortaleza de São José de Macapá [onde eram escravizados], Dizem que fugiram pelo Rio Amazonas durante a noite e chegaram até o local.


Curiaú


Povo do Curiaú


Dança do Marabaixo


Crianças do Curiaú



SANTANA

A história do município de Santana em muitos aspectos aproxima-se do que ocorrera com a cidade de Macapá, no momento em que o Governador do Estado do Grão-Pará e Maranhão (Capitão-General Francisco Xavier de Mendonça Furtado), fundou a Vila de São José de Macapá no dia 4 de fevereiro de 1758. Prosseguiu viagem para a Capitania de São José do Rio Negro e deparou-se com a Ilha de Santana, situada na margem esquerda do Rio Amazonas, elevando-a à categoria de povoado.

Os primeiros habitantes eram moradores de origem europeia, principalmente portugueses, mestiços vindos do Pará e índios da nação tucujus. Estes últimos vindos de aldeamentos originários do Rio Negro, chefiados por Francisco Portillo de Melo, contrabandista de pedras preciosas e escravos, que fugia das autoridades fiscais paraenses, em decorrência de estarem atuando no comércio clandestino. Hoje o município abriga o Porto que recebe navios do mundo inteiro que estão em trânsito, transportando passageiros da região ou trazendo mercadorias para o Estado , que como mencionado anteriormente , só é acessado via aérea ou fluvial, recebendo a maior parte do que consome atravéz dos navios mercantes.


Porto de Santana


Igarapé da Fortaleza



FAZENDINHA

APA da Fazendinha.

Essa Área de Proteção Ambiental teve sua origem m 1974 quando surgiu com o nome de Parque Florestal de Macapá.

O Balneário da Fazendinha é uma praia às margens do Rio Amazonas a 16 Km de Macapá. Mais afastado da capital, o distrito atrai pela praia e por dezenas de restaurantes, um ao lado do outro, que oferecem camarão rosa no bafo como em nenhuma outra parte do país.

Todos os restaurantes são ótimos e tem como carro chefe o prato, que vem acompanhado de limão e cerveja bem gelada para aplacar o calor que faz por lá , em torno dos 42 graus no auge do verão! Ainda dá para fazer um passeio de lancha , levando uma bela porção do camarão para ir degustando enquanto , se levar sorte , aprecia as brincadeiras do Boto- Cor -de- Rosa , bastante presente na região e que leva a fama de ser o responsável por muita moça que aparece grávida sem ter marido.A lenda do boto tem sua origem na região amazônica. De acordo com a lenda, um boto cor-de-rosa sai dos rios amazônicos nas noites de festa junina. Com um poder especial, consegue se transformar num lindo, alto e forte jovem vestido com roupa social branca. Ele usa um chapéu branco para encobrir o rosto e disfarçar o nariz grande. Vai a festas e bailes noturnos em busca de jovens mulheres bonitas. Com seu jeito galanteador e falante, o boto aproxima-se das jovens desacompanhadas, seduzindo-as. Logo após, consegue convencer as mulheres para um passeio no fundo do rio, local onde costuma engravidá-las. Na manhã seguinte volta a se transformar no boto. O boto cor-de-rosa é considerado amigo dos pescadores da região amazônica. De acordo com a lenda, ele ajuda os pescadores durante a pesca, além de conduzir em segurança as canoas durante tempestades. O boto também ajuda a salvar pessoas que estão se afogando, tirando-as do rio. Parece muito com o Golfinho e tem uma pele de coloração rosa , dando-lhe o nome típico.


Balneário de Fazendinha


Fazendinha ao entardecer


Restaurantes em Fazendinha


Camarão no Bafo


Boto Cor de Rosa


Mas nem só de lendas vive a região! Além do povo fantástico e acolhedor , Macapá tem ainda a culinária a ser apreciada! As comidas típicas de lá são de dar agua na boca; Uma grande variedade de peixes de agua doce (como Tambaqui, Filhote , Pirapitinga, Pirarucu(O Bacalhau do norte) salgado ou fresco e tantas outras delícias que são preparadas nos bons restaurantes locais. Tem ainda a Maniçoba , prato feito a partir da maniva , folha de uma espécie de mandioca venenosa mas que se cozida durante dias pode ser preparada com os ingredientes da nossa feijoada , fazendo deste um dos pratos favoritos da região! Tem ainda o famoso Tacacá , feito da goma da mandioca com tucupi , camarão e folha de Jambú, O famoso Pato no Tucupí, Vatapá , Caruru, Tucunaré assado de brasa (Imperdível). A Tapioca é usada largamente em diversos pratos. A Pupunha é uma espécie de coquinho , que cozido , come-se com café no lugar do pão. As frutas são um show a parte , com sabores exóticos como o Cupuaçú , Taperebá , Ingá, Uxi , Graviola Biribá, jambo, abacaxi, ingá chinela, abiu e o famoso Açaí.


Frutas da Região


Castanha


Limão Selvagem


Pupunha


Pato no Tucupi


Tacacá


Maniçoba


Vatapá



POVOS INDÍGENAS

Amapá é o primeiro estado brasileiro a ter todas as terras indígenas demarcadas. Nas duas grandes reservas, que representam 8,6% de todo o território estadual, 140.276 km² , vivem as etnias - Galibi, Karipuna, Palikur, Waiapi e Galibi Marworno.

Esses índios recebem todo tipo de apoio governamental: da assistência saúde à orientação para melhorar a qualidade de vida através de novas alternativas econômicas.O melhor exemplo desse compromisso é o apoio dado a escola bilíngue, na qual as crianças aprendem primeiro sua língua original, condição mais importante para manter viva a tradição indígena com seus mitos, lendas, arte e costumes.

Cada uma das aldeias tem um perfil que se retrata na arte.

O artesanato é uma atividade que também proporciona alguma renda aos povos indígenas do Amapá. Os Karipuna, fabricam colares de sementes e ossos. Os Waiapi usam desenhos para explicar sobre seu povo. Se organizado com antecedência , é possivel visitar algumas tribos.


Indios Waiapi


Indios Karipuna


Índios Palikur



Parque Nacional Montanhas do tumucumaque

O Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque , localizado entre o Amapá e o Pará, é uma das unidades de conservação da Amazônia. De acordo com o WWF, esse bioma é o que possui a maior extensão de territórios protegidos: são 314 unidades de conservação que representam mais de 1 milhão de hectares.


Parque Nacional Montanhas de Tumucumaque


Parque Nacional Tumucumaque


É neste mesmo estado que ocorre a POROROCA e pessoas do mundo inteiro vem ali para observar o fenômeno e também para surfar a onda mais longa do planeta.


Pororoca


ONDE FICAR E ONDE COMER

Para se hospedar há varias opções; Na "Frente da Cidade" com vista para o Rio Amazonas , tem o Hotel do Forte , O Amazon Plaza e o Macapá Hotel. Já indo para o caminho de Fazendinha, tem o Ceta Ecotel , com uma estrutura ótima e chalés no meio da Floresta. Tem também o Ibis , o Atalaia no centro da cidade e o Equatorial , todos com com boas acomodações.


Ceta Ecotel


Ceta Ecotel - Piscina


Hotel Amazon Plaza


Hotel Íbis - Macapá


Já os restaurantes de comidas típicas , recomendamos o Estaleiro que serve peixes da região , O Lamaru também com ótimos peixes. Tem também O "Confraria"que serve tanto os pratos típicos como os tradicionais brasileiros. O Acqua Ristorante, A Bizzum Pizzaria e massas Italianas, O "Quitanda" que fica numa esquina histórica (Era o antigo cinema da cidade) e super charmosa e com pratos Típicos preparados pelo Chef Dom Garcia e tantos outros ao redor da cidade. Come-se muito bem em Macapá!


Restaurante Estaleiro


Aqua Restaurante


Quitanda Café


Quitanda Bistrô


E não fica só por aí, a cidade de Macapá conta ainda com dois Shooping Centers, o Macapá Shopping na Av Leopoldo Machado e o Amapá Gardens na Rodovia Juscelino Kubitscheck, Km 2.


Amapá Garden


Macapá Shopping

Então? Ficou surpreso com este Destino Brasileiro? Vai lá conferir!

Recomendamos para você:
Uma caminhada memorável: 7 cidades para explorar em passeios a pé
Viajantes que buscam um novo jeito de explorar um destino durante suas viagens podem colocar as pernas para funcionar nos passeios turísticos a pé
Natureza e aventura entre salinas, selvas e desertos
Roteiro da Vivee Experiences visita destinos atrativos da Argentina e do Chile




ENVIE PARA UM AMIGO

Leia mais sobre Destinos

LEIA TAMBÉM:
COMENTÁRIOS


Adicione seu comentário

Nome:
Email:
Cidade e Estado:
Comentário