×
HOME BELEZA BUSINESS E NEGÓCIOS CULTURA DESTINOS EVENTOS GASTRONOMIA HOTELARIA MODA PETS SOCIAL TURISMO ZILDA BRANDÃO DICAS DE VIAGEM QUEM SOMOS TV ZILDA BRANDÃO ÚLTIMAS NOTÍCIAS FALE CONOSCO
     

Whats Instagram Instagram Facebook
×
ENCONTRE SUA NOTÍCIA

CULTURA

Após a revisão dos princípios cooperativistas, Rosalvi Monteagudo dá agora continuidade a seu trabalho investigativo na área social e o faz com muita segurança e disciplina.

Zilda Brandão
20/09/2019 às 17:00hs


Neste novo livro, com lançamento no próximo dia 28 de setembro (sábado) na Livraria da Vila (Rua Fradique Coutinho, 915 - Pinheiros) das 16h às 19h, é possível perceber a objetividade de suas propostas, verdadeiros instrumentos que apontam para o futuro não como utopias, mas como sistemas orgânicos em busca de soluções imediatas.

Rosalvi Monteagudo - AUTONOMIA FINANCEIRA - Livraria da Vila, SP

Na oportunidade, o site www.econsolidaria.org será apresentado aos convidados. Uma plataforma que reúne toda a trajetória de Rosalvi Monteagudo - pesquisadora, articulista na internet e autora de obras voltadas ao cooperativismo e à economia solidária

Sobre o Livro:

Para dar continuidade às sugestões de Economia solidária – Novas regras - é necessário criar uma empresa virtual, iempresa, a fim de formar de maneira prática um meio para a geração de trabalho em cooperação econômica.

A partir da revisão do cooperativismo, são sugeridas regras para a procura de soluções, como meio para a distribuição equitativa das reivindicações humanas. A simbiose socioeconômica organiza a equidade pelos valores prefixados A/B/C/D, forma o valor social, base da organização socioeconômica.

O trabalho e a produção distribuída em equidade cria uma nova mentalidade na humanidade que precisa ser consolidada pelo desenvolvimento. A autogestão é a gerência da empresa pelos cooperadores/donos, através da gestão democrática que aplica a regra 30%/70% para decidir com clareza e transparência as prioridades da iempresa em assembleia geral.

Além de estabelecer as bases da autonomia financeira pela organização do capital particular dos cooperadores/donos de baixo para cima. A iempresa organiza as ações pertinentes, como: concentração, dispersão e conjunta, que estabelecem a redução do custo para organizar o dumping comercial pelo justo preço.

A iempresa é uma empresa social descentralizada entre suas diversas funções, em sua organização socioeconômica. O social é representado pela produção humana; a informação, que se quantifica de baixo para cima, concentra e transforma em valores ao somarem entre vários cooperadores/donos. O mercado social, através do valor do know-how, faz uma ação global para desenvolver a humanidade, gerar trabalho e divisas e fixar o homem na terra, e regulamenta o dumping comercial e o ambiental, organiza a área de atuação local/comunitária.

A doutrina econômica da cooperação respeita a geopolítica dos mercados e os interliga: porém, segue as determinações de qualquer regime político com neutralidade para que cumpra com o maior dever social: gerar trabalhos. Este é um dever global, um dos maiores direitos da humanidade, pois se opõe à pobreza e retoma a dignidade humana. Nesta quarta revolução industrial e tecnológica organiza a iempresa em microrregulamentação e macrorregulamentação, para compartilhar os recursos humanos, materiais e econômico-financeiro.

Além dos recursos da organização da ação de integração em auxílio mútuo num superfederalismo na área nacional, com o hiperfederalismo e o contifederalismo na área de atuação global. Anexa a metodologia da simbiose socioeconômica para seus princípios específicos serem compreendidos e representados pelo controle democrático, e propõe para que tenha a autonomia na organização cooperativa, a autogestão da iempresa e autonomia financeira.

* Rosalvi Monteagudo é contista, pesquisadora, professora, bibliotecária, assistente agropecuária, funcionária pública aposentada e articulista na internet.

Mestre em Cooperativismo pelo CEDOPE/UNISINOS (São Leopoldo, RS) e autodidata, lê e estuda sobre Economia e o forte papel que exerce no social.

Sensível às necessidades brasileiras, analisa, observa atentamente e passa a refletir o saber. E preciso um reexame das regras e princípios que evoluem o terceiro Setor como meio de cooperar com os problemas socioeconômicos do país. Percebe Sua importância para a época atual e Começa a estudá-lo profundamente. Publica vários artigos. Cria o COOPSOVr, que são novas regras via software, a fim de beneficiar-se da redução do custo on-line.

Foi editora responsável do boletim informativo do ICA/SAA, São Paulo, no qual criou o espaço "Comentários; repensando o cooperativismo". Organiza cursos, conferências, estandes em feiras etc. Exerce várias atividades concomitantes, como voluntária na Pastoral da Criança, presidente- fundadora da Econsolidaria, além de constituir e participar de diversas associações. Empreendedora socioeconômica, participou ativamente de oficinas  palestras do Fórum Social Mundial, de 2002a 2005.

Publicações:

Revisão das regras dos princípios coope-rativistas, 2001

Economia solidária; novas regras, 2002

Autonomia na organização da iempresa; uma sugestão para o desemprego, 2004

Sustentabilidade socioeconômica, via web-service, 2006

Administração e a contabilização/ accountability para o terceiro setor, 2007

Economia digital e sustentabilidade, 2008

Recomendamos para você:
Projeto Rota da Cultura: Som, Cena e Corpo tem inscrições abertas para Oficina sobre Teatro
Encontros para os estudos sobre essa arte serão mediados por Maurício Ayer, educador do projeto




ENVIE PARA UM AMIGO

Leia mais sobre Cultura

LEIA TAMBÉM:

COMENTÁRIOS


Adicione seu comentário

Nome:
Email:
Cidade e Estado:
Comentário